Os probióticos são, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), micro organismos vivos encontrados em produtos fermentativos. Em doses apropriadas, promovem diversos benefícios à saúde.

Os probióticos produzem alguns ácidos orgânicos, que favorecem o crescimento de bactérias que fazem bem ao organismo e contribui para a diminuição das substâncias maléficas, proporcionando o equilíbrio da flora intestinal.

O termo “probiótico” quer dizer pró vida.

Microbiota intestinal (flora intestinal): saiba o que é

A microbiota do intestino é formada por bactérias que promovem saúde e bem estar. Fonte da imagem: Freepik.

A microbiota intestinal ou flora intestinal é definida como o conjunto de microrganismos, sobretudo bactérias anaeróbicas, que colonizam o intestino logo após o nascimento.

A flora intestinal é composta por cerca de 1.000 bactérias diferentes. Elas atuam em conjunto com as células do hospedeiro em um sistema de simbiose. Esse sistema funciona e é saudável quando em equilíbrio, proporcionando saúde e bem estar.

O equilíbrio é alcançado e mantido quando o indivíduo faz a ingestão de probióticos, que proporcionam o crescimento de bactérias benéficas em detrimento do crescimento de bactérias maléficas.

Assim, esse equilíbrio mantém a saúde do funcionamento intestinal, evita processos inflamatórios, evita o desenvolvimento da síndrome do intestino irritável, de doença inflamatória intestinal e prevenção de infecções sistêmicas, além de outros benefícios.

Uso de probióticos: para que serve?

O principal benefício dos probióticos é a homeostase da microbiota do intestino. Fonte: Freepik.

Afinal, para que servem os probióticos?

Dentre os benefícios dos probióticos, a manutenção do equilíbrio da flora intestinal é o principal deles. Todos os outros benefícios, que promovem saúde e bem estar, são decorrentes do equilíbrio da microbiota intestinal.

1) Efeitos anti-obesidade

Por proporcionarem melhora do perfil lipídico, diminuição da resistência à insulina e até maior saciedade, os probióticos têm efeito anti-obesidade.

2) Prevenção e auxílio no tratamento de câncer de cólon

Como já mencionado, o uso de probióticos mantém o equilíbrio da microbiota intestinal, bem como a sua reestruturação (quando necessário). Com isso, há uma redução de bactérias que promovem doenças do sistema digestivo e enzimas carcinogênicas e podem ser usados para auxiliar na prevenção do câncer de cólon.

Além disso, os probióticos reduzem os efeitos colaterais do tratamento para este tipo de câncer.

3) Reduz a gravidade e encurta as infecções

De maneira geral, os micro organismos competem entre si. Assim, quando há uma aumento da população de bactérias benéficas, consequentemente haverá uma diminuição das bactérias maléficas, reduzindo o risco e duração das infecções.

4) Controle da glicemia

Há evidências que o uso de probióticos ajuda a regular os níveis de glicemia. Não se sabe ainda exatamente como isso acontece, mas uma das hipóteses é o fato de os microrganismos probiótiocos aumentarem a sensibilidade à insulina das células.

5) Protege contra o câncer

Alguns estudos apontam que os probióticos são capazes de proteger o organismo contra o câncer de três maneiras distintas: inibição de bactérias responsáveis em converter substâncias pré-carcinogênicas em carcinogênicas, inibição direta da formação de células tumorais e inativação carcinogênica.

6) Saúde da pele

Existem microrganismos probióticos que proporcionam benefícios para a pele. Eles melhoram a microbiota cutânea, estimulam a produção de antibióticos naturais, ácido lático, restauram a barreira cutânea, promovem hidratação e protegem contra micro organismos maléficos.

7) Melhora dos sintomas da intolerância à lactose

Os microorganismos probióticos estimulam a produção de uma enzima que faz a digestão da lactose. Isso faz com que haja uma melhora nos sintomas, como diarreia, flatulência e dores no abdômen.

8) Melhora do perfil lipídico

A suplementação de probióticos demonstra uma melhora do perfil lipídico por proporcionar aumento das gorduras boas (HDL) e redução das gorduras ruins.

9) Melhora da constipação (prisão de ventre)

A constipação afeta cerca de 12-30% da população mundial e interfere na qualidade de vida das pessoas. O uso de alimentos ricos em probióticos promovem a melhora da constipação por aumentarem o trânsito intestinal, aumento do bolo fecal, além de estimular a produção de substâncias como triptamina e ácidos graxos de cadeia curta durante o processo de fermentação.

Todos esses fatores ajudam na melhora da constipação.

10) Fortalecimento do sistema imune

Os probióticos funcionam também estimulando o sistema imunológico. As causas ainda são desconhecidas, mas existem hipóteses sobre o estímulo de produção de anticorpos, além de células de defesa.

11) Tratamento e prevenção de diarreia

Além de deixar o sistema imunológico fortalecido, diminuindo as chances de ocorrência de diarreia, os probióticos, ao equilibrarem a flora intestinal, auxiliam no aumento da absorção de nutrientes e hidratação, que são fatores fundamentais para combater a diarreia.

12) Melhora a absorção de nutrientes

O consumo de alimentos probióticos aumentam a capacidade de o organismo absorver nutrientes fundamentais, como ferro, vitaminas do complexo B e cálcio, todos envolvidos em processos essenciais à saúde humana e pleno funcionamento do organismo.

Diferença entre probiótico e prebiótico

Os pre bióticos são fibras que servem de alimento para os probióticos. Fonte da imagem: Freepik.

Apesar de ambos oferecerem diversos benefícios à saúde, probiótico e prebiótico são diferentes. Os probióticos são micro organismos, sobretudo bactérias anaeróbicas, que auxiliam a equilibrar a flora intestinal.

Já os prebióticos são as fibras utilizadas por essas bactérias para se alimentarem.

Por isso, é importante haver um ajuste entre ambos. Não basta suplementar ou ingerir alimentos probióticos, é necessário também estar atento ao consumo dos prebióticos.

Os principais alimentos prebióticos são frutas e vegetais crus, sobretudo maçã, alho poró, alho, cebola, raiz de chicória, banana verde e dente de leão. Essas fibras não são totalmente absorvidas no trato intestinal e, por isso, servem de alimento para os microorganismos probióticos.

Além dos alimentos prebióticos, existem a possibilidade de ingestão por meio de suplementos.

Onde encontrar probióticos

O consumo de probióticos pode ser feito de duas formas distintas: por meio da alimentação ou suplementação.

1) Alimentos

Alimentação rica em iogurte natural, kefir, leveduras e leite fermentado é alimentação rica em probióticos. Fonte da imagem: Freepik.

2) Suplementos

O uso de probióticos na forma de suplemento é indicado principalmente após uso de antibióticos. Fonte da imagem: Freepik.

Existem vários tipos de probióticos e, por meio da alimentação, nem sempre se consegue alcançar as quantidades necessárias ou conseguir ingerir o probiótico mais adequado para a sua demanda. Alguns são melhores para a saúde gastrointestinal, enquanto outros são melhores para a pele e assim por diante.

Por isso, o uso de suplemento probiótico é uma alternativa interessante para muitos casos, especialmente quando há agressão e desregulação da microbiota intestional, como é o caso de quando se faz uso de antibióticos por muito tempo.

Presente no medicamento floratil. Ele é utilizado para promover o equilíbrio intestinal de forma a controlar quadros de diarreia aguda e irritações intestinais.

É um probiótico eficiente na proteção do sistema gastrointestinal e fortalecimento do sistema imunológico, prevenindo e tratando alergias, asma e dermatite.

Probiótico que fortalece a defesa do corpo e protege contra infecções na área vaginal.

Probiótico que atua, principalmente, aliviando a prisão de ventre.

Produz ácidos que ajudam a abaixar o pH do intestino grosso, dificultando a colonização por bactérias patógenas.

Probiótico que fortalece o sistema imune, diminuindo a severidade de alergias, principalmente as alimentares e infecções respiratórias.

Atua melhorando quadro de diarreias, alergias, diminui os níveis de colesterol e acúmulo de gordura visceral.

Auxilia no combate à obesidade, controle de diabetes e protege contra infecções.

Dentre vários benefícios, evita infecções vaginais, melhora diarreia e síndrome do intestino irritável, melhora a ingestão da lactose, aliviando os sintomas da intolerância, além de fortalecer o sistema imune.

Como tomar probióticos

Primeiramente, deve-se procurar indicação médica ou de um nutricionista, principalmente quando se tratar de suplementos probióticos.

Diante de todos os benefícios apresentados, todas as pessoas devem buscar consumir alimentos ricos em probióticos. Leites fermentados e iogurtes naturais são fontes ricas, acessíveis e de fácil consumo.

Deve-se comer pelo menos um alimento probiótico por dia para evitar o desequilíbrio da microbiota intestinal.

Os suplementos probióticos geralmente são encontrados em cápsulas, mas também podem ser encontrados na forma líquida ou em sachê. No caso dos suplementos, o consumo deve seguir a orientação do médico, nutricionista e da marca escolhida.

O ideal é que o suplemento de probióticos sejam consumido juntamente com alguma refeição para garantir a sobrevivência e chegada dos microorganismos probióticos no intestino. Além disso, é interessante consumir fontes de fibras, que servem de alimentos para os microorganismos probióticos.

Uso de microorganismos probióticos para atletas

O uso de probióticos melhora a saúde gastrointestinal e qualidade de vida de atletas. Fonte da imagem: Freepik.

Estudos mostram que há uma relação entre atividade física intensa e lesão gastrointestinal. Além disso, podem provocar uma sobrecarga nas vias aéreas superiores, tornando-a mais suscetível às infecções.

Assim, o consumo de probióticos se mostra bastante interessante para atletas, uma vez que tende a melhorar a saúde e bem estar do intestino e do resto do corpo, além de atenuar e prevenir infecções respiratórias do trato superior.

O consumo de probióticos apresenta efeitos colaterais?

Inchaço, estufamento e gases podem ser efeitos colaterais do uso de probióticos. Fonte da imagem: Freepik.

Embora sejam muitos os benefícios dos probióticos, eles podem causar alguns efeitos colaterais no organismo de forma temporária.

Geralmente, esses efeitos se resumem a alguns incômodos gastrointestinais, como, por exemplo, gases, inchaço abdominal e sensação de estufamento. Isso acontece por conta do processo de fermentação das bactérias no organismo.

Se você costuma sentir sintomas relacionados a um mau funcionamento do intestino, vale a pena conversar com seu médico e nutricionista a respeito da ingestão de probióticos. Hoje, costuma-se dizer que o intestino é o segundo cérebro do nosso corpo. Várias desordens clínicas manifestadas por todo o corpo são consequência ou tem relação com o desequilíbrio do funcionamento intestinal.